Quebrando as “regras da felicidade”

Todo mundo quer ser feliz. Eu quero. Provavelmente você também quer.

Só que nessa busca incessante (e até ditatorial, atualmente) pela felicidade, a gente acaba se perdendo e criando – ou aceitando – várias regras e condições:

“Quando eu emagrecer 30kg serei feliz”. “Quando eu estiver ganhando 20 mil reais por mês serei feliz”. “Quando eu encontrar o amor da minha vida serei feliz”

Eu mesma já criei muitas condições e regras pra minha felicidade – a maioria relacionada ao meu corpo (mais especificamente a me enquadrar num padrão estético PP).

É importante ter em mente que cada um idealiza a felicidade conforme o que é mais importante pra si, sua história e seus valores. Por isso, não julgue.

A gente pensa tanto na felicidade que se desconecta dela.

Esse é um círculo vicioso e o resultado disso – guess what? – é uma vida de sofrimento: ansiedade, insatisfação crônica, auto-depreciação, baixa autoestima, depressão e por aí vai. Ou seja, exatamente o oposto do que buscamos! Muito doido, né?

Mas afinal, o que é a felicidade? Onde vive? Do que se alimenta?

 

Infelizmente essa resposta não está no Globo Repórter – nem em lugar nenhum, eu acho.

Felicidade, como hoje eu enxergo, é abstração pura. Pode ser encontrada em qualquer coisa, lugar ou pessoa desde que ela já esteja plantada e bem cultivada dentro de você.

Não existe prazo pra ser feliz, nem regra. Até porque o “agora” é a única coisa que temos de fato: o ontem já foi, o amanhã a gente nem sabe se vai chegar. A vida é assim, efêmera, e nós só estamos aqui de passagem numa viagem cuja ponto final a gente desconhece. O jeito é se conformar em viver o presente e passar a apreciá-lo. Clichê, but true.

O que eu quero dizer sobre isso então?

Seja feliz do seu jeito. Por você, pra você. Seja feliz hoje. Seja feliz sem cagação de regras – nem pra você nem pro outro.

Entenda e lembre-se sempre que o seu conceito de felicidade não é melhor nem pior que o de ninguém. Por isso, dê um descanso ao martelinho do tribunal do julgamento da vida alheia.

E se, ao longo da sua busca, você ainda puder ser gente boa, respeitando a forma de ser feliz do outro (por mais que você não concorde), você já vai estar fazendo um favorzão pra si mesm@ e pra muita gente, acredite!

Desconstruir a felicidade já é meio caminho andado. Depois o resto vem. Não precisa ter pressa! Cada um de nós tem o seu tempo e as suas respostas. E eu diria até que a beleza da vida está justamente no curso natural e individual da coisas ♡

Quebre as regras: tá na chuva, é pra se molhar, brincar nas poças e ser feliz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *