10 coisas que você pode fazer por uma pessoa ansiosa

Você tem uma pessoa na sua vida que sofre de transtorno de ansiedade e sente que não consegue ajudá-la? Talvez esse post seja útil pra você e pra muitas pessoas ansiosas que estão ao seu redor ♥

[E se você é a pessoa ansiosa e gostaria que alguém te entendesse melhor, compartilhe esse texto! Nós também temos que ajudar os outros a nos entenderem para que possamos ser ajudadas(os)]

1. Empatia – o recurso gratuito mais importante!

Provavelmente você conhece alguém que é ansioso(a). Talvez você não saiba, talvez você nem reconheça a ansiedade como um transtorno mental. Talvez você nem saiba o que é conviver com a ansiedade à espreita o tempo todo e subestime esse turbilhão de sentimentos e reações físicas, achando que é “frescura”.

É importantíssimo começarmos por aqui porque, pra você conseguir ajudar alguém, primeiro é preciso exercitar a empatia. E para se colocar no lugar de outra pessoa e se sentir como ela, primeiro você precisa abstrair seus julgamentos e entendê-la: o que é a ansiedade, qual a diferença de ser e estar ansioso(a), o que pode deixar a pessoa ansiosa, como ela se comporta em momentos ou em crises de ansiedade, como ela prefere ser tratada nesses momentos, e por aí vai.

Sobre a ansiedade: “como eu explico esse sentimento?” – uma das nossas maiores angústias é justamente não saber explicar o que se passa na nossa cabeça.

O Manual de Diagnóstico e Estatística da Associação Psiquiatra Americana (DSM-IV) define o transtorno de ansiedade como “um distúrbio caracterizado pela preocupação excessiva ou expectativa apreensiva, persistente e de difícil controle, que perdura por seis meses no mínimo e vem acompanhado por três ou mais dos seguintes sintomas: inquietação, fadiga, irritabilidade, dificuldade de concentração, tensão muscular e perturbação do sono.”

Se a pessoa te der abertura para conversar sobre o assunto, converse! Demonstrar interesse é um baita gesto de carinho e que todo mundo – com ansiedade ou não – aprecia!

2. Peça permissão para tocar a pessoa durante picos e/ou crises de ansiedade/pânico

Não tem nada mais invasivo do que ser tocada durante um momento de alta ansiedade ou durante uma crise, ainda que com a melhor das intenções da pessoa que deseja cuidar.

Lembre-se que nesse momento TUDO é uma ameaça, e o corpo pode reagir com uma extrema sensibilidade ao toque – algumas pessoas podem até reagir com certa agressividade, piorando o quadro.

Então, não custa perguntar “você gostaria de um abraço?” ou “você se sentiria melhor segurando a minha mão?” antes de chegar abraçando ou segurando a mão do(a) ansioso(a) da sua vida, por melhor que seja a sua intenção.

Se a resposta for positiva, vá em frente. Se for negativa, tudo bem, o problema não é com você e isso vai passar – acredite.

via GIPHY

3. Tire a pessoa do ambiente estressante, se possível

Se a ansiedade apareceu em um ambiente público, tente removê-la desse local e levá-la para algum canto em que a pessoa se sinta mais segura e protegida até se acalmar. Isso é importantíssimo principalmente em pessoas que sofrem de agorafobia.

Pelo DSM-IV, agorafobia é o termo usado para definir “comportamentos de esquiva, que aparecem quando a pessoa se encontra em situações ou locais dos quais seria difícil ou embaraçoso escapar ou mesmo receber socorro se algo de errado acontecesse”.

Se não for possível sair do local, tente tornar essa experiência a mais segura e tranquila para a pessoa.

via GIPHY

4. Ajude a pessoa a se focar no presente

Pode parecer bobo, mas contar as respirações profundas, por exemplo, pode ser uma forma da pessoa se acalmar e de se manter no presente momento.

via GIPHY

Outras atividades que requerem atenção aos detalhes também podem ajudar, como atividades manuais – bordar, tricotar, colorir imagens ricas em detalhes (lembram daqueles livros de colorir para adultos?), contar canetas, folhas, moedas, ou até mesmo escrever sobre os sentimentos e sensações daquele momento.

Se você não estiver por perto, lembre a pessoa de fazer isso ou sugir a ela uma dessas possibilidades.

5. Demonstre sentimentos e lembre a pessoa de que você se importa com ela

A ansiedade pode nos deixar extremamente inseguros sobre nossas relações pessoais e até mesmo profissionais. Por isso, não custa nada sempre dar aquele reforço positivo ao ansioso ou à ansiosa da sua vida. Lembre essa pessoa de que você gosta dela, de que ela é importante para você e para muitas pessoas, de que ela faz um excelente trabalho, de que ela é uma excelente namorada/excelente namorado, de que ela não é um fardo na sua vida ou na de outras pessoas, de que você acredita no potencial dela, de que ela é linda(o) do jeitinho dela(o).

É importante também deixar claro que, nos momentos em que você precisar se ausentar por outros compromissos, a culpa não é da pessoa.

Atenção especial aos “vácuos” na troca de mensagens: a gente sabe que todo mundo tem uma vida e não dá pra se falar o tempo todo, mas um lado nosso SEMPRE vai fazer a gente criar monstros na nossa cabeça. E se os vácuos forem constantes, é quase certo que vamos nos sentir trouxas por mandarmos mensagem, por demonstrarmos, e então vamos passar a sentir raiva – de nós mesmos e de vocês. (esse sentimento de raiva nem sempre dura muito e passa quando restabelecemos contato e vemos que foi só mais uma paranoia, mas é importante você saber disso)

“Eu preciso que você me ame um pouquinho mais alto hoje” – sim, tem dias que é só disso que a gente precisa…

Eu sei, isso pode ser exaustivo às vezes, mas acredite: é exaustivo pra gente também lidar com a insegurança durante a maior parte do dia e na maioria das nossas atividades e relacionamentos.

Então, se a pessoa sempre te perguntar se você realmente gosta dela, por mais que pareça repetitivo, reforce com um sim amigável (e um carinho, se possível), sem fazer cara de saco cheio.

Não escolhemos ser assim, mas escolhemos estar com vocês porque nos fazem bem de alguma forma!

como lidar com a ansiedade
“Sei que se sente ansiosa(o), mas você se esqueceu de que você é foda” (tradução livre | crédito: /thelatestkate)

6. Faça planos, mas tente não mudar em cima da hora

via GIPHY

Ok, entendemos que imprevistos acontecem e que os planos podem mudar muitas vezes sem aviso prévio. Com isso nós aprendemos a lidar, por mais stress que possa causar.

A única coisa que pedimos é: só faça promessas e planos que você consegue cumprir. Seja um plano de viagem, uma promessa de um telefonema à noite ou de uma visita durante a semana, ou então uma promessa relacionada a um futuro juntos (no caso de um casal).

Bom, pensando bem, acho que esse caso de só fazer promessas que possam ser cumpridas se aplica a qualquer caso e a qualquer pessoa, né?

7. Porém, dê espaço para que o(a) ansioso(a) mude de ideia sobre algum compromisso

É comum que a gente se empolgue com um convite ou um compromisso e depois, quando chega a hora, a única coisa que a gente deseja é uma mensagem no whatsapp cancelando o role. Simplesmente porque tem dias que a última coisa que a gente quer é sair de casa, conversar, ver gente.

Entenda que queremos sim honrar nossos compromissos, queremos sair e nos divertir, mas tem dias que simplesmente não há energia pra isso. Não é nada pessoal. É só um dia ruim.

Tenha paciência, especialmente com quem apresenta algum tipo de ansiedade social (como eu, que vira e mexe passo por períodos em que não quero que as pessoas me vejam pra não correr o risco de ser observada até em coisas “idiotas”, como o comer ou beber alguma coisa em público)

via GIPHY

8. Encoraje a pessoa a sair ao ar livre

Por mais que nem sempre a gente queira sair em lugares públicos porque não queremos encontrar pessoas conhecidas (meu caso, muitas vezes), encoraje a sua pessoa a visitar lugares arejados, se expor um pouco ao sol (que ajuda e muito na nossa sensação de bem-estar e tranquilidade, além da vitamina D, que tem papel importantíssimo em muitas questões da saúde física e até mental, segundo sugerem muitos estudos sobre o tema), pisar na grama fresca e entrar em contato com a natureza. Esse pode ser um calmante e tanto!

via GIPHY

9. Separe um tempo para “fazer nada” juntos

Às vezes, não fazer nada pode ser um alívio que você nem imagina! Seja não fazer nada no sofá vendo Netflix, ou simplesmente encarando a paisagem na varanda do apartamento. Se você puder estar presente nesse momento, respeitá-lo e até mesmo fazer parte, não hesite – essa é uma das maiores demonstrações de carinho, aceitação e companheirisimo que você pode oferecer a uma pessoa ansiosa.

via GIPHY

10. Entenda que nem sempre a produtividade vai ser nossa melhor qualidade

Tem dias que vamos estar super ágeis e produtivos. N’outros, vai demorar quatro horas pra produzir um texto simples por cansaço físico e mental, falta de concentração, bloqueio mental, insegurança e auto-cobrança excessiva, medo da pressão externa e/ou de decepcionar alguém, sem falar na insônia e na própria auto-sabotagem.

“essas ideias são horríveis” – um sentimento muito comum no trabalho

Por isso, se você ocupa posição de liderança e possui um colaborador ansioso, esteja atento(a) a isso: não é para tratar como criança, mas às vezes ficar no calcanhar da pessoa cobrando e pressionando, pode atrapalhar ainda mais e acionar gatilhos de uma possível crise aguda.

O que você pode fazer se detecta ansiedade em algum colaborador seu?

Tente deixar o ambiente mais ameno, chame a pessoa para tomar um café ou uma água (tire-a de frente do computador ou do posto de trabalho pra “arejar”), dê feedbacks com maior frequência e, acima de tudo, pergunte como você, como “chefe”, pode ajudar.

Lembre-se: quando assumimos uma posição de liderança em qualquer equipe, nos tornamos responsáveis pelo bem-estar destas pessoas no ambiente de trabalho – que acaba sendo onde passamos a maior parte de nossos dias e que pode ser o principal agente causador do stress e da ansiedade de muita gente.

Você precisa seguir todos os itens acima?

Não. Ninguém é obrigado a nada. Mas custa 0,00 reais se colocar no lugar do outro e tratar uma pessoa mais sensível com uma sensibilidade maior. Hoje, pode ser essa pessoa que precisa da sua empatia e da sua sensibilidade, amanhã pode ser uma outra pessoa muito importante na sua vida (seus pais ou seus filhos, sua esposa, seu marido) ou então até mesmo você.

Na dúvida, ame e seja gentil. E se não puder ou não quiser ajudar, então não julgue nem atrapalhe.

SaveSave

SaveSave

SaveSave

Comments (2)

    1. Que bom! Espero que esteja ajudando! Obrigada pela visita

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *